Quinta-feira, 2 de Junho de 2011

O Voz à boleia

da Caravana Visão, na Secundária de Santo Tirso. Muito obrigada à jornalista Luísa Oliveira e ao fotógrafo Marcos Borga. 

 

 

Poesia é liberdade

 

A nossa viagem começou com um boa dose de poemas. Fomos a uma sessão de VOZ, em Santo Tirso, um recital pensado pelas Produções Fictícias para estudantes do secundário.

 

 

O ator João Lagarto, 56 anos, levanta-se, larga a sua pose blasé e agarra no microfone. "Poesia é um espaço de liberdade." Tem casa cheia. A plateia - alunos do secundário da escola Tomaz Pelayo, em Santo Tirso - espera pelas suas palavras. "Preciso de voluntários", arrisca logo no arranque. Tiago Pereira, 16 anos, avança, sem medos. Lê o poema que o ator lhe passa para a mão, sem gaguejar. Estamos numa sessão de Voz, um recital de poesia pensado pelas Produções Fictícias - já foi programa de televisão e agora vende-se um resumo em DVD - para cativar alunos para este tipo de literatura. "Os textos devem ser percebidos pelo coração e não apenas com a cabeça", ensina João Lagarto.

 

 

 

O discurso tem vindo a ser afinado à medida que passa por diversas escolas do País. "Agora vamos ouvir o mesmo poema dito por David Fonseca". Ouvem-se joviais suspiros femininos na assistência... Na parede branca aparece a cara do vocalista dos Silence 4. "Amar é uma eterna inocência", são palavras de Alberto Caeiro, um dos heterónimos de Fernando Pessoa, há de explicar o ator. Assim se passa a hora seguinte, entre poetas, poemas e poesia. Ora ditos ao vivo, ora projetados, nas vozes de pessoas tão diferentes como João Reis ou Inês Castelo Branco. Saem três meninas do auditório. João Lagarto força o silêncio, para mostrar desagrado. Nem por isso as entradas e saídas acabam. Soltam-se algumas palavras mais indecorosas quando Bocage vem à baila. E a mostra termina com Raul Solnado a dizer Fernando Pessoa, em forma de Liberdade. Ouvem-se palmas. E o professor de português, António de Sousa, ergue-se: "Tem mais um minuto?" João Lagarto cede o palco a uma espécie de improviso de alguns estudantes. Tiago volta ao palco, imponente, soltando palavras de António Gedeão. Seguem-se meia dúzia de outros alunos. 

 

 

 

De repente, a sessão transforma-se numa espécie de Ídolos, versão poesia. No final, depois de Impressão Digital (outra vez Gedeão) na voz do professor entusiasta, há direito a autógrafos e fotografias com a estrela da tarde. João Lagarto apressa-se a sair. Ainda o esperam mais de 300 quilómetros até à capital. Acede a espreitar a nossa autocaravana, enquanto fuma um cigarro. Diz-nos que se sente apenas "uma vírgula, ou quanto muito um ponto de exclamação. O centro disto são os poemas projetados". Quase que apostamos que os alunos que acabaram de o ouvir não pensam assim.

 

escrito por Voz às 15:57
link do post | comentar | favorito
partilhar

O projecto

"Contanto que a poesia seja — continue a ser — um lugar onde ainda se pode respirar." *Jorge de Sousa Braga*

Mecenas

Fundação EDP

Coordenação

Produções Fictícias

Contactos: 213 864 554 | fatimaf@producoesficticias.pt

Actores

Cristina Carvalhal
Joana Seixas
João Lagarto

Em visita pelas escolas

Macedo de Cavaleiros
Alfândega da Fé
Miranda do Douro
Vila Flor
Torre de Moncorvo
Telheiras
São João da Madeira
Coimbra
Benavente
Castêlo da Maia
Leça da Palmeira
Paço de Arcos

outras vozes

à procura de

Escritos

subscrever feeds